PABLO GONZÁLEZ CASANOVA. A INCORPORAÇÃO DO PENSAMENTO CRÍTICO

Por Gilberto López y Rivas

“Sua compreensão da chamada questão étnica nacional explica sua magistral análise da democracia zapatista”

3 de septiembre de 2022
Trabalho apresentado na sessão da ALAS dedicada a Pablo González Casanova, 19 de agosto de 2022. [Texto traduzido para o português pelo colaborador brasileiro de Vocesenlucha José Luis Victorio]

1.- Afirma-se que as pessoas são conhecidas nas dificuldades, e eu acrescentaria, também na militância. No caso de Pablo González Casanova, é possível afirmar que ao longo de mais de duas décadas, desde as negociações de paz entre o Exército Zapatista de Libertação Nacional e o governo federal, e, posteriormente, durante a integração do Grupo Paz con Democracia, a Rede de Intelectuais em Defesa da Humanidade e o acompanhamento, por parte da sociedade civil, dos processos autônomos dos maias-zapatistas e do Congresso Nacional Indígena, o camarada González Casanova deu provas de uma notável congruência ética e de um compromisso social comprovado que distingue os intelectuais orgânicos dos povos em resistência. Ele tem sido, durante todos esses anos, nossa referência teórica e moral e, sobretudo, a personificação do pensamento crítico que os zapatistas clamam.

2.- Por isso, Alicia Castellanos. e quem fala, escrevemos recentemente que: “Uma das conquistas políticas do Exército Zapatista de Libertação Nacional é o apoio eterno e apaixonado de Pablo González Casanova, integrado ao Comando Geral por sua trajetória como o renomado intelectual mais apreciado pelos indígenas povos em suas lutas contra as formas de exploração, racismo e opressão do colonialismo interno, por ele conceituado. Relembrando o slogan dos combatentes mexicanos na guerra contra os intervencionistas franceses e seus colaboradores crioulos: “Temos Victor Hugo!”, o movimento rebelde zapatista tem González Casanova, um pensador que preserva a esperança em outro mundo possível”.(La Jornada)

3.- Para nós que formamos antropólogos, ligados ao marxismo, a contribuição teórica de González Casanova foi seu conceito de colonialismo interno e, nesse sentido, sua crítica à antropologia mexicana como uma disciplina que, embora mantivesse um sentido humanista da problema indígena: “nunca teve um significado anticolonial, nem mesmo nos tempos mais revolucionários do país”. González Casanova especifica seu argumento: “Influenciado pela metodologia de uma ciência que surgiu justamente dos países metropolitanos para o estudo e controle dos habitantes de suas colônias, o estudo do problema indígena como problema colonial não poderia ser proposto como central como um problema iminentemente político.”(PDF)

4.- Sua compreensão da chamada questão étnica nacional explica sua magistral análise da democracia zapatista. Em «Os ‘caracoles’ zapatistas: redes de resistência e autonomia (ensaio de interpretação», Pablo González Casanova afirma que o movimento zapatista deu ricas contribuições para a construção de uma alternativa. A ideia de criar organizações que sejam ferramentas de objetivos e valores a alcançar e fazam que a autonomia e o «mandar obedecendo» não permaneçam no mundo de conceitos abstratos ou palavras incoerentes é uma das contribuições mais importantes. Todas as comunidades construíram as organizações, as organizações das redes mínimas de governo, bem como como as redes de alianças maiores. González Casanova deixa claro que esse projeto de poder não se constrói sob a lógica do «poder de Estado» que aprisionava as posições revolucionárias ou reformistas anteriores, deixando o protagonista principal carente de autonomia, fosse a classe operaria, a nação ou os cidadãos.” Da mesma forma, ele dirige suas observações críticas às posições anarquistas, ao enfatizar que o poder zapatista: “Não se constrói com a lógica da criação de uma sociedade ácrata, aquela lógica que prevalecia nas posições anarquistas e libertárias (e que subsiste em expressões infelizes como «anti-poder», que nem o seu autores sabem o que significa), mas que se renova com os conceitos de autogoverno da sociedade civil «empoderada» com uma democracia participativa, que sabe representar e sabe controlar seus representantes no que for necessário para respeitar os «acordos»”.

5.- O projeto dos Caracoles é um projeto de povos-governos que se articulam entre si e que procuram impor caminhos de paz, em tudo o que for possível, sem desarmar moral ou materialmente os povos-governo, exceto em momentos e regiões onde o órgãos repressivos do Estado e as oligarquias locais, com seus variados sistemas de cooptação e repressão, seguem diretrizes cada vez mais agressivas, cruéis e tolas do neoliberalismo de guerra que incluem a fome, as condições insalubres e a «ignorância forçada» da grande maioria dos povos, seja para enfraquecê-los, dizimá-los ou mesmo acabar com eles se necessário, quando os sistemas de intimidação, cooptação e corrupção de líderes e massas falham.

6.- Nosso homenageado encontra seis características do fazer e pensar dos zapatistas: Usar combinações mais que disjuntivas. Em vez de dizer e fazer «isto ou isto» se diz e faz «isto e isto». O todo é muito mais do que a soma das partes: é a articulação das partes. A segunda é generalizar os conceitos enquanto generaliza as redes comunitárias. Em terceiro lugar, o método permite a elaboração de conceitos cada vez mais profundos, como quando se percebe quem está prestes a aumentar a resistência e quem está prestes a enfraquecê-la, corrompê-la ou destruí-la, deliberadamente ou não. A quarta característica é que o conceito e a força das redes se aprofundam quando tanto a ação quanto a reflexão passam da luta contra o cacique para a luta contra o governador que apoia o cacique, e daí chegamos a uma «especie» ou «classe» de «ricos e poderosos». Uma quinta característica passa do abstrato ou formal ao concreto ou atual, correspondendo à expressão «ir além», ou seja, adaptações e redefinições que a experiência exige. Uma sexta e última característica está relacionada às utopias que se expressam e se realizam entre contradições.

7.- O novo projeto dos Caracoles pretende aumentar as forças dos povos e suas redes, para que possam alcançar soluções negociadas com princípios inegociáveis. O novo projeto universal, nascido dos povos pobres, tende a reunir todas as lutas e enriquecê-las com aquelas que se realizam pela moralidade política, pela autonomia e dignidade das pessoas e das comunidades, e por começar a fazer eu o que se quer que os outros façam.

8.- Noutra esfera das lutas da Nossa América, destaca-se o famoso texto de González Casanova, “Com Saramago até aqui, para sempre com Cuba”, publicado em 2003, numa altura em que esta demarcação significava um acto de coragem civil. em defesa da revolução cubana, povo e governo.

9.- Uma vida plena, sempre do lado dos explorados e dos despossuídos, consciente do que afirmava Martí que “toda a glória do mundo cabe num grão de milho e, portanto, um inimigo natural do poder e sua capacidade de cooptação, Pablo González Casanova, Comandante Contreras, é e será um dos essenciais.

Gilberto López y Rivas, comunicação apresentada na sessão da ALAS dedicada a Pablo González Casanova, 19 de agosto de 2022. 
[Texto traduzido para o português pelo colaborador brasileiro de Vocesenlucha José Luis Victorio]